Ao fechar esta mensagem, e exceto se tiver desativado as cookies, concorda com o seu uso neste dispositivo, de acordo com a Política de Cookies e Termos de Utilização do Website do Colégio São João de Brito. Optando pela desativação das cookies, algumas partes do nosso site poderão não funcionar corretamente.
Aceito
Saiba mais

Ano Letivo

Notícias

Dia de S. João de Brito

No dia 4 de fevereiro o Colégio celebra a vida do seu padroeiro.


Programa da festa de S. João de Brito

Programa S. João de Brito 2019.jpg

Notas biográficas sobre S. João de Brito

João de Brito Pereira, nasceu em Lisboa, a 1 de março de 1647.

Aos onze anos esteve às portas da morte acometido de grave doença. A mãe, em agradecimento a S. Francisco Xavier pela cura do filho, fez a promessa de o vestir durante um ano com a batina própria dos jesuítas.

Foi educado na corte de D. João IV entre os pagens do futuro rei D. Pedro II. Em 17 de dezembro de 1662, entrou para o noviciado da Companhia de Jesus, em Lisboa. Contra a vontade da mãe e da corte, feito já sacerdote, embarcou de Lisboa para a Índia, a 19 de março de 1673. Em abril de 1967 entrou na missão de Maduré. Durante doze anos, vivendo a vida austera dos panderásuamis, percorreu como apóstolo a região de Maduré.

Em  1686, tendo-se desencadeado violenta perseguição na região vizinha do Maravá, ocorreu João de Brito a ajudar os cristãos. Foi preso e supliciado. Chegou a ser condenado à morte, mas o rei, depois de o ouvir, deixou-o ir em liberdade, com a proibição de pregar o Evangelho naquele reino.

Tendo ido para Malabar, o Provincial jesuíta dessa região enviou-o à Europa, para informar em Roma e Lisboa das circunstâncias das missões na Índia. Foi no meio da maior alegria dos seus familiares e amigos que foi acolhido em Lisboa a 8 de setembro de 1687. O próprio D. Pedro II quis informar-se, pessoalmente, com o seu companheiro de infância, da situação das missões. No entanto, por razões políticas, não o deixou ir a Roma.

A 8 de abril de 1690 saiu de Lisboa com mais 25 novos missionários, chegando a Goa a 2 de novembro desse ano. Foi para o Maravá, onde missionou durante cerca de dois anos. 

Por causa das suas actividades de missionário, foi preso e condenado em janeiro de 1693. A 4 de fevereiro, foi decapitado junto à fortaleza de Urgur.

O Papa Pio XXII canonizou-o a 22 de junho de 1947.

Documentário sobre a vida de S. João de Brito (RTP 2)

1/2

2/2

© Colégio de São João de Brito
Propriedade da Província Portuguesa da Companhia de Jesus, Alvará nº 980.